Direto da Redação

Cássio Cunha Lima e seu modus operandi: a lição de 2014 não foi o suficiente

Publicado dia 08/02/2018 às 11h03min
Uma vida movida ao golpe, quebra de acordos e grandes traições

As últimas declarações de Cássio Cunha Lima, Romero Rodrigues e aliados, tem apenas um sentido, assustar e deixar Luciano Cartaxo na defensiva e impor uma reflexão mais cautelosa e avaliar que seria um risco deixar a prefeitura.

A sinalização é clara, aponta Romero como candidato a governador. Ora, CCL sabe que a Paraíba ( maioria do eleitorado ) não ia optar por uma chapa puro sangue e familiar.

Uma chapa que não agrega, muito pelo contrário. Que gde motivo tem o eleitor paraibano para eleger o prefeito de Campina Grande? Enfrentando uma crise de mal gerenciamento/planejamento onde, atrasa salários dos servidores, demitindo assalariados e mantendo altíssimos salários de familiares e aliados...

Não concede reajuste e, a única gde obra foi o conjunto Aloisio Campos, onde 90% foi do orçamento federal, do governo Dilma Rousseff. Mas o que tá querendo CCL com essa operação? Simples! Fazer uma confusão no grupo de Cartaxo, deixando entender que Manoel Junior, assumindo a prefeitura, muito provavelmente passaria a apoiar o tucano Romero.

Na cabeça de Cássio, Luciano não ia optar pelo risco de ser candidato sem o apoio das duas maiores prefeituras e outras tantas de porte médio ( Patos, Guarabira...) aí sairia isolado, já que o governo do estado tem candidato, e o MDB vai lançar Zé Maranhão.

Com esse cenário, Cartaxo não arrisca. Essa operação pode ser um blefe, a última cartada de CCL para tentar ser candidato a governador. Não acredito que Romero Rodrigues tope esse desafio, por tudo que já avaliei no início do texto.

Nesse sentido, LC abdicando da disputa, CCL entra na disputa, entendendo ser fácil triunfar diante das duas candidaturas apresentadas, Zé Maranhão e João Azevedo. Na cabeça de Cássio, só Ricardo Coutinho poderia derrota-lo. Se Luciano Cartaxo tiver coragem, vai pra o risco e é favorito nas eleições.

Caso Cartaxo tome tal decisão, não tenho dúvida que, Romero fica na PMCG e o tucanato apoia Luciano, ficando CCL na disputa do senado.

Diferente de Romero, o prefeito da capital, tá bem nas pesquisas e muito bem avaliado na gestão. Política é feita de riscos e desafios.

 

 

 

Basílio Carneiro

Fonte: Por Basílio Carneiro