Paraiba

“Líderes religiosos precisam estar preparados; 19% das vítimas de agressão procuram a Igreja”

Publicado dia 06/12/2017 às 07h30min
Campanha - No ano passado Jutay realizou a campanha “Violência contra as mulheres: Esse também é um assunto de homem” que teve como público alvo as mulheres evangélicas

 

<p style="\&quot;text-align:" justify;\"="">Cerca de 19% das vítimas de agressão procuram apoio da Igreja. O dado é da pesquisa ‘Violência doméstica e familiar contra a mulher’, realizada pelo Instituto DataSenado em 2017. “Esse dado mostra a importância da Igreja nesse processo de combate à violência contra a mulher e de acolhimento àquelas que sofrem agressões. Nós trabalhamos essa temática dentro da Igreja Universal, pois entendemos que além de dar o suporte, precisamos levar orientação para que elas denunciem o agressor”, disse o deputado estadual e pastor da Universal do Reino de Deus, Jutay Meneses (PRB).
 
O parlamentar trouxe os dados da pesquisa nesta quarta-feira (6) - Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Ele também realizou ação nas redes sociais, chamando atenção para o problema e o papel da igreja no acolhimento e orientação.  A pesquisa apontou que a busca de apoio na Igreja subiu consideravelmente nos últimos dois anos. Em 2015, registrou-se que 7% das agredidas procuraram a Igreja, e hoje esse número subiu para 19%.
 
Esta é a sétima edição da pesquisa e constatou o aumento significativo do percentual de mulheres que declararam ter sido vítimas de algum tipo de violência provocada por um homem: esse percentual passou de 18%, em 2015, para 29%, em 2017. A violência física foi a mais mencionada: 67% das respondentes disseram já ter sofrido esse tipo de agressão. A violência psicológica veio em seguida, com 47% das menções, enquanto as violências moral e sexual tiveram 36% e 15% das respostas, respectivamente.
 
Campanha - No ano passado Jutay realizou a campanha “Violência contra as mulheres: Esse também é um assunto de homem” que teve como público alvo as mulheres evangélicas. O parlamentar decidiu realizar a ação de conscientização após tomar conhecimento do levantamento feito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie que aponta que 40% das mulheres que se declaram vítimas de agressões físicas e verbais de seus maridos são evangélicas.
 
Projetos - Como deputado, Jutay vem apresentando projetos que visam combater a violência. Entre eles está o de número 1239/2017 impede a nomeação para cargos em pessoas que tenham sido condenadas nas condições previstas pela Lei Maria da Penha; o 1236/2017 cria a Política Estadual de Empoderamento da Mulher; e o 1597/2017 estabelece que 70% dos servidores nas delegacias de polícia de defesa da mulher devem ser do sexo feminino.

Fonte: Redação com ascom