Home Brasil Carta Capital nega morte de Coronel Siqueira, mas contas são apagadas

Carta Capital nega morte de Coronel Siqueira, mas contas são apagadas

Um dos personagens mais notórios da internet brasileira foi aos trending topics hoje depois que o DCM anunciou sua morte, que foi negada, mas o mistério cresceu depois que as contas nas redes foram apagadas

(Foto: Reprodução)

247 – Uma das contas mais famosas das redes sociais, o Coronel Siqueira, um personagem fictício para ironizar as posições da extrema direita, saiu do ar, nesta segunda-feira, 29, após polêmica sobre a morte do suposto criador do perfil. As contas saíram do ar no Twitter e no Instagram.

Mais cedo, o Diário do Centro do Mundo informou a morte do advogado e mestre em geologia Sergio Vicente Liotte. Segundo o site, ele seria o criador da conta nas redes sociais.

Em transmissão vivo na noite desta segunda-feira, Patrícia Liotte, viúva de Sergio Vicente Liotte, afirmou que a conta era compartilhada com outras pessoas e que ela havia sido invadida. Para a viúva, o perfil estava divulgando mentiras ao negar a informação do portal. “Ele estava internado há alguns dias e estava bem, mas o quadro teve uma piora”, disse Patrícia.

Segundo Patrícia, a conta continuou aberta após a morte do suposto criador porque “agora o Siqueira está mais democrático. Quem está postando mais é um pessoal de Porto Alegre. Eu estou com pouco tempo. Estou com minha mãe internada, caso grave”.

Ela ainda disse que “o rosto do Siqueira era o do meu tio, comunista doente, falecido em 2018 quando essa Bozo já tinha sido eleito. Tributo a um assistente social que trabalhou por 40 anos em creches municipais de SP”.

Outro lado
No entanto, a Carta Capital, onde o Coronel era colunista, publicou artigo afirmando que o suposto criador da conta, na verdade, não morreu.

“Em conversa com Carta Capital, a pessoa por trás do perfil diz ter sido pega de surpresa com a história. E que sequer conhecer o homem apontado como criador do personagem. ‘Não tenho a menor ideia do que aconteceu. O cara que morreu deve ter dito que era o coronel e acreditaram’”, diz o artigo.

“Ainda segundo a postagem do DCM, Liotte teria compartilhado a gestão dos perfis com outras pessoas. Daí a explicação para o volume de postagens. O Siqueira em vida nega. ‘Sou só eu, sempre fui uma pessoa só.’ E ironiza: ‘Estão tentando me convencer seriamente de que eu não sou eu’”, continua.

“Há mais pontas soltas. Ao DCM, a viúva de Liotte disse que o rosto do personagem seria de um tio, morto em 2018. ‘O rosto do Siqueira era o do meu tio, comunista doente, falecido em 2018 quando essa Bozo já tinha sido eleito. Tributo a um assistente social que trabalhou por 40 anos em creches municipais de SP’. Não é verdade. O rosto do Coronel Siqueira foi gerado no This Person Does Not Exist, um site que, como o nome já diz, gera rostos humanos que não existem por meio de inteligência artificial”, conclui.