Home Mundo “Vamos voltar”, gritou multidão da praça de Maio, em Buenos Aires, para...

“Vamos voltar”, gritou multidão da praça de Maio, em Buenos Aires, para Lula; vídeo

Vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, que discursava, dirigiu-se ao ex-presidente: “A última vez que eles gritaram isso, Lula, deu certo”

(Foto: Sutckert | Reprodução)

247 – Durante sua participação no Dia da Democracia nesta sexta-feira (10), na Praça de Maio, em Buenos Aires, o ex-presidente Lula ouviu de uma multidão de argentinos o grito de “vamos voltar”, em referência ao seu eventual retorno à presidência do Brasil em 2022.

Em resposta à manifestação do público, a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, afirmou: “veja companheiro, cada vez que cantaram isso não se equivocaram!”.

Assista:

Unidade latino-americana
Em seu discurso, Lula reforçou a união entre países latino-americanos que precederam a série de golpes que aconteceram na região.

“Tive a felicidade de governar o Brasil no período em que Cristina Kirchner governou a Argentina, Hugo Chávez era presidente da Venezuela, quando o índio Evo Morales era presidente da Bolívia, quando Tabaré [Vázquez e Pepe Mujica governavam o Uruguai, [Fernando] Lugo era presidente do Paraguai, Michelle Bachelet e [Ricardo] Lagos eram presidente do Chile, Rafael Correa era presidente do Equador”, disse.

“Estes companheiros progressistas, socialistas e humanistas fizeram parte do melhor momento de democracia da nossa pátria grande, a nossa querida América Latina”, destacou o petista.

“Posso afirmar a todas as mulheres e homens que a nossa querida América do Sul viveu o melhor período de 2000 a 2012 quando nós governamos democraticamente todos os países da América do Sul. Quando expulsamos a Alca, criamos a Unasul, a Celac […], em que participava Cuba e não participava nem os Estados Unidos, nem o Canadá”, concluiu.

Perseguição política
Ele também agradeceu a solidariedade do povo argentino, que denunciou sua perseguição política pela Lava Jato e o golpe de Estado no Brasil. “Agradeço a cada argentino que prestou solidariedade a mim quando fui preso no Brasil”, ressaltou.

“A mesma perseguição que me colocou em cárcere é a mesma perseguição que a companheira Cristina foi vítima e é vítima aqui na Argentina”, denunciou.

Ele ainda agradeceu Alberto Fernandez que era candidato a presidente da Argentina e “teve coragem de ir na cadeia me visitar, mesmo eu pedindo para ele tomar cuidado que talvez não fosse prudente”.

E concluiu: “esse é um dia para vocês encherem o coração de esperança, porque a democracia não é um pacto de silêncio […] é o momento extraordinário em que nós nos manifestamos na construção de uma sociedade efetivamente justa, igualitária, humanista, fraterna, onde o ódio seja extirpado e o amor seja o vencedor”. E ainda disse que estará ao lado de Fernandez para “melhorar a vida do povo argentino”.